• flag-br
  • flag-esp
  • flag-us

A Importância da logística no fornecimento de energia temporária a petrolíferas

PUBLICADO EM 29/03/2018 A Importância da logística no fornecimento de energia temporária a petrolíferas

A Importância da logística no fornecimento de energia temporária a petrolíferas

Como fornecer energia para uma pequena cidade que fica no meio do mar, em que centenas de pessoas vivem e trabalham, e onde funciona uma indústria que produz o produz o equivalente a milhões de reais em petróleo e gás por dia? Essa é a pergunta que está na cabeça de todas as empresas que fornecem energia temporária a plataformas petrolíferas.

O fornecimento de energia temporária, estável e confiável para indústrias e empreendimentos em terra já é desafiador. Esse desafio é multiplicado quando se fala em plataformas petrolíferas.

Isso porque as plataformas funcionam como cidades que estão a centenas de quilômetros de terra firme, e não recebem qualquer tipo de energia vinda do continente.

Em plataformas petrolíferas, toda a energia é produzida pela própria plataforma ou, em alguns casos, por plataformas vizinhas que transferem a energia excedente. Conheça agora como funciona uma plataforma petrolífera e a importância de uma logística eficaz no fornecimento de energia temporária a essas cidades.

Ilha artificial

Uma plataforma de petróleo é uma mistura de indústria e cidade em alto-mar. Dessa forma, precisa de energia para manter sua produção 24 horas por dia, sete dias por semana.

E não é pouca energia. As 32 plataformas petrolíferas que operam na Bacia de Campos, por exemplo, consomem 400 megawatts de energia, o suficiente para abastecer as cidades de Recife e Aracaju, somadas.

Mas, enquanto boa parte das cidades do Nordeste são alimentadas, por exemplo, pela hidrelétrica de Paulo Afonso, as plataformas de petróleo precisam ser independentes de energia externa. E parte dessa energia necessária para o trabalho dessas “ilhas” é fornecida pelos geradores de energia.

Embora o mercado de locação de energia temporária consiga atender qualquer necessidade de fornecimento, produzir energia em uma plataforma petrolífera traz dificuldades extras.

A principal delas se refere à logística. Para conseguir atender a enorme demanda, são necessários geradores potentes, que podem pesar dezenas de toneladas.

O problema está no transporte desses geradores. Como passar um equipamento tão pesado de uma embarcação para a plataforma? O trabalho de embarque e desembarque de equipamentos é feito por meio de um guindaste, mas ele tem limitações.

Os guindastes das plataformas costumam ter um limite de 18 toneladas para movimentação. Isso significa que, caso os geradores ultrapassem esse peso, eles terão de ser primeiros desmontados, transportados parcialmente, e remontados dentro da plataforma. Todo esse processo demanda tempo e dinheiro, causando prejuízos às indústrias petrolíferas.

Logística do setor demanda especialização

A Tecnogera fornece aos seus clientes do ramo petrolífero geradores de energia a diesel de até 14 toneladas, ideais para serem movidos pelos guindastes das plataformas.  

Além disso, a empresa possui um departamento específico voltado para o setor de óleo e gás, e mão-de-obra especializada no segmento. Isso possibilitou o desenvolvimento de equipamentos totalmente diferenciados do restante do mercado e compatíveis com o que o setor precisa.

Os geradores fornecidos pela Tecnogera para as plataformas offshore possuem uma configuração planejada especialmente para o trabalho nesses ambientes. Eles contam com alternador (que oferecem maior nível de proteção ao gerador), pintura especial que elimina qualquer chance de ferrugem e sistema que identifica e combate incêndios.

Como se pode ver, os geradores utilizados em plataformas petrolíferas devem contar não só com máxima eficiência, mas também com diversos fatores de segurança para evitar qualquer tipo de acidente.

O fornecimento de energia temporária para o setor de óleo e gás envolve mais do que os requisitos técnicos. Além de precisar fornecer equipamentos robustos, capazes de atuar sob as difíceis condições de operação no alto mar e fornecer energia estável para uma grande gama de equipamentos, é preciso levar em consideração também a valorização dos fabricantes nacionais.

Essa é uma prática comum em todo o mundo, e no Brasil não é diferente. A Petrobras dá preferência a fornecedores que tenham conteúdo nacional em seus produtos, ou seja, quanto mais peças “made in Brazil” um equipamento tiver, melhor.

Nesse ponto a Tecnogera também se destaca, já que seus geradores contam com quase 90% de peças fabricadas no Brasil.

Outros fatores que devem ser levados em consideração na escolha dos grupos geradores são o tamanho dos equipamentos, facilidade de manutenção, confiabilidade e disponibilidade de peças sobressalentes.

O ideal é que os grupos geradores possam operar sem manutenção completa por longos períodos, para que seu deslocamento até a terra firme ocorra o mais raramente possível.

Banco de carga

A escolha, o transporte e a movimentação dos geradores são apenas as fases iniciais para o fornecimento de energia temporária a plataformas petrolíferas. Quando os grupos geradores estiverem prontos para entrar em operação, é necessário fazer um teste de comissionamento no sistema.

O teste envolve a operação de todos os grupos geradores a plena carga, em bancos de carga resistivos e reativos. Assim, com tantas variáveis a serem administradas, o ideal é que as petrolíferas prefiram contratar empresas que ofereçam soluções completas.

A Tecnogera fornece tanto grupos geradores como também chillers e bancos de carga, de modo que toda a operação pode ser concentrada em uma única equipe, facilitando o trabalho e a comunicação entre o cliente e o fornecedor.

O comissionamento do sistema elétrico da plataforma é essencial pois permite que possíveis problemas na geração de energia – especialmente em plataformas que ainda não tenham entrado em operação, ou que estejam retornando às atividades após algum tempo parada – sejam detectados.

Se o comissionamento não fosse realizado, o problema poderia ser descoberto apenas com a “indústria” em operação, acarretando prejuízos financeiros ou até mesmo, na pior das hipóteses, acidentes. Após os testes a Tecnogera produz relatórios abordando todos os resultados.

Preparo para imprevistos

Com tudo pronto e com a plataforma operando a toda capacidade, é hora de planejar imprevistos. Por contar com uma área inteiramente dedicada ao segmento de óleo e gás, a Tecnogera sempre tem um plano de contingência para o caso de a plataforma precisar aumentar ou diminuir seu consumo de energia.

A empresa também leva em consideração a possibilidade de haver emergências como falta de energia da plataforma ou ameaças de tempestade, certificando que seus geradores atuarão de forma a impedir a paralisação da produção.

Como se pode ver, fornecer energia temporária a plataformas petrolíferas é um trabalho bastante desafiador. No Brasil, a Tecnogera se destaca pelo elevado grau de especialização. Quer saber mais? Entre em contato com um especialista.




VOLTAR